Das certezas da vida moderna, uma delas é a dor nas costas. Todo mundo tem, já teve ou terá. Seja por má postura, esforço repetitivo, sobrecarga no trabalho ou na academia, ou algum outro fator, muita gente convive com este incômodo. O problema, entretanto, está em não procurar auxílio médico. Muitas vezes, essas dores podem ser um indicativo de que há algo errado por vir.

Em alguns casos, as dores têm duração momentânea apenas. Já em outros, as dores se manifestam como um sintoma de alguma patologia crônica na coluna. “A persistência da dor por um tempo prolongado é um exemplo. Uma das características das doenças na região da coluna é a dor constante, por longos períodos e que não vai embora ao tomar um remédio ou repousar”, alerta o ortopedista Matheus Luís da Silva, do Instituto de Vídeo-artroscopia, Ortopedia e Traumatologia de Londrina (Ivot). Ele é membro titular da Sociedade Brasileira de Coluna (SBC) e especialista em cirurgia da coluna.

O ortopedista reforça que estas dores nas costas, geralmente, pioram após a realização de atividades simples do dia a dia. “Varrer a casa, lavar louça, sentar-se à frente do computador, por exemplo”, aponta.

No caso dos pacientes que têm algum problema mais sério na coluna, podem aparecer formigamentos e dormências, tanto nos membros superiores como nos inferiores. “A dor pode ser irradiada. Essa disfunção pode acarretar ainda em problemas mais sérios, como dificuldades para se locomover ou levantar algum objeto, dores de cabeça e na região da nuca que se prolongam para os ombros, perda de controle da bexiga ou do intestino entre outras”, enumera.

Ele reforça que é imprescindível a busca por ajuda médica ao invés de buscar medidas paliativas como o uso de remédios por conta própria. “Ao se auto medicar, você está mascarando a dor e uma possível doença mais séria. É fundamental a investigação da raiz do problema e combatê-lo”, explicou.